quarta-feira, 16 de março de 2011

MEU PAI, MEU TIO E O CASEIRO (Minha primeira ficção)

Esta historia aconteceu quando eu tinha meus 38 anos, quando ja estava tranquilo em relação a minha sexualidade.
Estava um dia bem legal de domingo, daqueles que sao propícios a ir numa piscina, ou algum lugar tranquilo. Então resolvemos que iriamos na chacara de meu tio, em Araçoiaba da Serra, eu e meu pai. Como minha mãe ja faleceu a um tempo, moramos só nos dois, mas nunca na minha vida pensei em ter interesse por meu pai ou algum homem sequer.
Ligamos para meu tio e avisamos que iriamos, ele disse que o sol estava de rachar e pediu que levassemos roupa de banho pois ficariamos o dia todo na piscina, e curtindo um churrasco com cerveja.
Meu pai, um homem maduro, e corpo muito bonito, nunca teve vergonha de ficar nu na frente de ninguem, pois ninguem duvidava de sua mascullinidade, um homem perfeito. Eu, já tinha meu receio de ficar pelado em publico, pois nunca fui tao avantajado.
Seguimos até a chácara, e chegando lá, tivemos a desagradável surpresa de que minha tia e minha prima não iriam participar do nosso encontro devido a um compromisso com a igreja naquele domingo. Seria o dia todo somente para os homens da familia, ja que alem de meu tio, ficaria o caseiro que ja faz parte da familia a anos. Um homem de seus 40 anos, com corpo de 30, bem trabalhado, e o mais interessante, todo peludo. Seus pelos do peito formavam curiosos desenhos, pois eram pelos finos, e abundantes. Desciam pela sua barriga, e formavam o caminho até sua virilha, onde ali um tufo de pelos pretos começava a se formar. Era perceptivel pois suas calças sempre foram baixas e nunca usava cinto.
Cumprimentamos todo mundo, dei um abraço forte em meu tio que estava de sungão branco somente, e nosso amigo caseiro, chamado sergio, estava de bermuda jeans e sem camisa.
Vale falar que meu tio um homem de seus 43 anos também, um belo exemplode corpo masculino, todo certinho, sem ser forte nem gordo. Pernas e peito bem peludos também, acho que é de família pois papai também era bem peludo!
JA fomos pegar uma cerveja gelada, e como estavamos somente entre homens as palavras não eram medidas, como caralho, vai tomar no cu, entre outras que não convem falar, mas todo homem sabe.
Papo vai papo vem, uma carninha aqui, uma cerveja e capirinhas por ali, o papo vai esquentando, e meu tio solta uma: "poxa só machos aqui nesta porra de chácara, pq nao ficamos todos pelados, já que a muierada nao esta aqui mesmo".. Fiquei ruborizado por meu tio ter dito isso, mas nao dei bandeira, mas imediatamente olhei para a sunga dele, num ato meio que automatico. Percebi que meu tio, como nunca eu tinha percebido tinha um volume consideravel, e percebia que era bem grosso o membro dele mesmo estando mole na sunga que marcava a sua silhueta.
Meu pai riu e falou que estava mesmo pensando nisso, pois não aguentava mais ficar de short com aquele calor, e foi logo tirando sua bermuda, sem nem olhar pra gente. Automaticamente olhei para o pau do meu pai, que era no mínimo a coisa mais bonita de se ver até entao. Um mebro grosso, pendurado apoiado num saco grande e bonito, com os pelos na medida certa, nem muitos, nem poucos. Imediatamente, meu tio tira sua sunga e para minha surpresa os dois eram bem parecidos no formato espessura e tamanho. Meu tio soltou um belo "AHHH LIBERDADE" e meu pai concordou com ele dizendo que poderiam sempre andar pelados, pois nao existia coisa melhor sentir o ar em seus caralhos. E ambos riram muito.
Meu tio entao vira para Sergio que estava cortando um pedaço de carne para nos servir efala pra ele também ficar a vontade, tendo em vista que ele também era homem ninguem tinha segredos com ele, pois era de confiança da gente a tempos. Ele disse que ja tiraria pois estava meio ocupado com a carne. Meu tio vai até ele e para minha surpresa e a dele também diz: "segura a carne enquanto eu tiro sua calça." Ele sem exitar levanta a bandeja nas mãos e meu tio desce a calça dele, ate os pés, quando ele ajuda pra jogar longe.
Aquilo pra mim foi uma coisa nova, mas nós homens temos o costume de fazer isso, baixar a calça de amigos, e ate passar a mao, num ato de brincadeira.
Fiquei olhando aquela bunda peluda, e bonita, toda certinha, quando nem percebo que meu tio também estava na minha frente, peladao, com seu membro pertinho de mim, me falando que agora era a minha vez de tirar a roupa. Ele segurou na minha mao, me puxando para que eu levantasse, e de frente pra mim abre o velcro da minha bermuda, e puxa pra baixo e como não uso cueca, la estava eu com meu pau pra fora, mas quando meu tio foi levantar, ele esbarra com a cabeça no meu saco e pau, passando pelo rosto e batendo em seu nariz. Meu pai grita pra que ele tenha cuidado por que a cobra do seu sobrinho tava picando sua cara... e todos os 3 riram da situação me deixando encabulado.
Continuamos os 4 pelados, Sergio servindo a gente com seu mastro lindo, meu tio toda hroa dando uma pegada no pau, meu pai tranquilo na mesa, hora tb passava a mao no pau, e eu ali, quieto, e bebendo, ouvindo besteiras e mais besteiras das conversas dos maduros.
Como estavamos com muito calor, resolvemos ir pra piscina, e pedimos para o Sergio deixar a carne meio no alto, so para deixar meio quente, e que ele nos acompanhasse ate a agua, trazendo o cooler de gelo e cerveja pra perto da beira da piscina, para que nao tivessemos que ir toda hora ir buscar.
Meu tio, já pra lá de bagdá, lembra que uma vez ele e meu pai levaram umas biscates para nadar com eles, e meu pai meio que sem jeito pede para ele nao falar muito no assunto, pois eu nao saberia das zoeiras que eles faziam. Olhei para eles e disse: "caralho velhos.. quem ve pensa que vcs nao pulam a cerca.. coitada da tia e da mamae, que acham que voces so comem elas" e sltei uma gargalhada, e todos riram.
Meu tio entao começa a falar do dia das biscates, e mostra como eles comeram elas na piscina, e na escada do canto, indo ate la e falando que meu pai ficou sentado na escada e ele atras da mina fodendo o cu dela enquanto meu pai era chupado por ela. Ficou fazendo movimentos de foder ali na escada, quando perceboque seu membro estava apontando para o céu. Meu pai também viu e disse a todos que meu tio estava ja de pau duro de lembrar da cena.
Meu tio se levanta da agua e mostra seu pauzao batendo na barriga pra gente e fala... "olha aqui seu filha da puta, olha o tamanhoque minha benga esta so de lembrar naquele cu gostoso, que eu enchi de porra" Meu pai diz que tb encheu a boca dela de porra naquele dia, e a biscate adorou.
A conversa tomou outro rumo, e ficamos nadando pra la e pra ca, os 4, jogando agua um no outro até que comecou a brincadeirinha do agarra agarra.. e quem começou foi o Sergio, agarrando meu tio por tras, numa boa, e meu pai da a ideia de brincar de policia e ledrao na agua (estavam bebados, lembrem-se disso).
E adivinha quem seria o ladrao??? sobrou pra mim.... deram um tempo para eu fugir, mas como eu nao nado muito bem, ja fui agarrado pelo Sergio e papai e meu tio logo em seguida.. Meu pai falou auqelas palavras que tudo que eu dissesse seria usado contra mim, e ordenou que Sergio me revistasse, pra ver se eu nao carregva nenhuma droga ou arma (que porra).
Inocentemente deixei que ele me revistasse, mas para minha surpresa ele pega no meu pau e fala pra eles que eu estava armado, que teria que ser revistado pelos outros oficiais... Toddos chegarm mais perto e passaram a mao na minha bunda e no pau... fiquei meio assustado, mas deixei rolar. Sergio vai se posicionando atras de mim, e me segura por tras dos braços me imobilizando, e meu pai continua a revista, pelos lados do meu corpo e meu tio pega novamente no meu pau que a esta altura ja deu sinal de vida. Alertando os outros que minha arma estava crescendo, e que o cano dela ja estava maior que a primeira. Dizendo isso, senti o Sergio me encoxando, mas sem alarmar os outros, meu pau ficou uma pedra. Meu pai disse que eu puxei a meu tio que fica de pau duro por qq coisa. Eu eu dei uma risada meio sem graça mas percebi que todos ali estavam se excitando com isso e eu estava sentindo algo forçar minha bunda , era o pau do sergio que nao me largava. Discretamente, ele chegou ate meu ouvido e disse "so relaxa que ninguem vai perceber o que eu vou fazer"... fiquei doido...imediatamente senti seu pau na porta do meu cu, e nao sei dizer se foi a agua, ou eu mesmo estar relaxado, o pau dele entrou muito facil, mas eu nao quis alertar ninguem, mas ainda meu pai e meu tio estavam na minha frente me revistando. Foi um ato de loucura do Sergio e meu tambem mas isso foi rapido, ele tirou, me largou e continuou a nadar.. falando que deveriamos prender nosso bandido e que eu tinha que aprender uma lição. Pediu pra eu sair da agua, mas como eu sairia com o pau duro daquele jeito, mas meu tio e meu pai sairam primeiro e nao é para minah surpresa os dois estavam de pau duro também, e claro o Sergio.. entao nao tive como nao sair de pau duro....


(continua, estou com muito tesao, vou socar uma agora)

6 comentários:

brunno disse...

Continua logo esta muito bom.

Fã de contos disse...

Foi muito bom esse ressurgimento do blog.
Continua logo.

Anônimo disse...

Pelo amor de deus continha esse conto

Anônimo disse...

Já soquei muitas punhetas lendo esse conto, muito bom. Posta a segunda parte logo

Contos de Incesto II disse...

Estou com muito tesao ainda, e as ideias estao aflorando... se tiverem alguma sugestao, por favor me escrevam: guttao@gmail.com

Anônimo disse...

DELICIA SES CONTOS CONTINUA ESTE AI VALEU AI ABRAÇOS